O CRISTO DE DEUS - Paróquia Santa Rita de Cássia - Viçosa/MG

O CRISTO DE DEUS

Jesus tinha plena consciência de seu mistério e que isto se tratava de
uma questão fundamental para seus seguidores. Então lançou aos
apóstolos esta interrogação: “Vós quem dizeis que eu sou? (Lc 9,
18-24). Respondeu Pedro:” O Cristo de Deus” Esta questão está
verdadeiramente no coração da existência cristã. É algo principal para
os batizados. Cumpre então a cada um saber quem é Jesus para ele.
Responder a esta questão é mais vital, essencial, para um discípulo de
Cristo, pois define sua postura diante da vida e da morte, do bem ou
do mal, do sofrimento e da felicidade. Esta questão é mais
importante do que aquela de saber quem sou eu, dado que é em Jesus
Cristo que que se pode descobrir verdadeiramente aquele que faz de nós
um membro de seu Corpo, aquele a cuja imagem nós fomos criados para
sermos filhos de Deus. Esta verdade é mesmo primeira em relação à da
existência de Deus, porque é em Jesus Cristo que conhecemos
verdadeiramente a Deus e Jesus foi claro: “Quem me viu, viu o Pai” (Jo
14,9b). Jesus, de fato, pergunta a cada um de nós: “Quem dizeis que eu
sou”? Pode se satisfazer com aquela referida por São Pedro e
completá-la pela formulação dada no Evangelho de São Mateus: “Tu és o
Cristo, o Filho de Deus. o Filho do Deus vivo”. A resposta de Pedro é
a primeira expressão da confissão da fé da Igreja. Sob este aspecto
ela é também de sumo valor. Entretanto, ela resta insuficiente pela
fato mesmo de sua objetividade, porque ela deixa escapar a força de
uma interpretação pessoal. Ela pode não engajar em profundidade a
maneira pessoal, pois a questão não se trata de saber, ela requer uma
adesão de cada um, um “sim” que supõe uma identidade tal qual
contemplamos na expressão de São Paulo, ou seja, tu és o Cristo de
Deus e, por isto, já não sou eu quem vive, é Ele quem vive em mim. Eis
porque Jesus prosseguiu com o anúncio de sua Paixão, de sua morte e de
sua ressurreição. Não se tratava, portanto, de uma pergunta escolar,
porque a resposta devia impregnar totalmente a existência do cristão
no Cristo de Deus até sua morte na Cruz. O próprio Jesus foi claro:
“Aquele que quer vir após mim, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e
me siga” (Lc 9, 23-26) A resposta é uma adesão total como fez Pedro
que se sacrificou para deixar claro que Jesus era o Filho de Deus.
Pedro martirizado pela sua fé em Cristo, como que a formulou deste
modo: “Senhor tu és aquele que eu quis seguir até o fim”, até as
últimas consequências, ainda que aconteça estar incluida toda sua
existência nesta decisão. Deste modo é que melhor se compreende o
sentido da questão posta por Cristo: “Para vós quem dizeis que eu sou
“? Ele é aquele cuja vida dada até o fim no alto de uma cruz solicita
de nossa parte uma resposta que inclui nossa própria vida a seu
exemplo, porque é deste modo que se entrega a própria vida imersa na
vida do Mestre divino, mostrando um amor tão grande quanto o que Ele
nos demonstrou. Isto supõe contemplar seu coração transpassado na
Cruz. É aos pés da Cruz que recebemos esta certeza do amor que livra
nossa consciência do peso de suas faltas. Então se pode fazer brilhar
uma confiança absoluta no amor de Deus por nós, esta certeza que nos
vivifica e nos torna capazes de crer na palavra de Jesus. Para salvar
sua vida o cristão precisa estar disposto a sacrificá-la. Sob o ponto
de vista meramente racional uma tal afirmação pode parecer absurda.
Entretanto, ela se torna uma evidência para aquele que quer, de fato,
demonstrar o verdadeiro amor a Jesus. Trata-se do risco da confiança
na fidelidade e no respeito de Cristo até o esquecimento de si mesmo.
Esta verdade não se prova, ela se vive no seguimento daquele que de
fato se ama, na dinâmica de um amor total. Seguir Jesus, o “Cristo de
Deus” é colocar nossa vida inteira sob a luz da sua Palavra e se
entregar inteiramente ao seu espírito de amor. Deste modo é que se
torna cada um herdeiro das promessas do Filho de Deus. É descobrir em
Jesus, o “Cristo de Deus”, a própria identidade, de filho de Deus pelo
batismo. Tudo isto pode parecer uma grande exigência, mas é suave como
o desejo de amar que nos conduz então a seguir o Mestre divino em tudo
e por tudo. Jesus está a nos convidar a fazer uma opção vital de suma
importância. Trata-se de uma resposta sincera, vinda lá do interior de
cada um de seu seguidor que verdadeiramente sabe quem Ele, realmente,
é. É o olhar interior que leva a uma união, penetrando-se no seu
grandioso mistério. Quem bem compreende esta verdade conhece a total
libertação cristã e se vê imune das artimanhas do mal, dado que tudo
centra na figura excelsa do Redentor. Trata-se da libertação que é a
salvação de Jesus, que é uma relação profunda entre Ele e seu
seguidor. Não se trata de pensar nele, mas de ser, de existir, com
Ele. É o que São Paulo advertiu aos Gálatas: “Vós pertenceis a Cristo”
(Gal 3,27). Eis porque celebramos a Eucaristia para poder entrar mais
profundamente no mistério de Jesus.

*Professor no Seminário de Mariana durante 40 anos.

Paróquia Santa Rita de Cássia

Praça Silviano Brandão - s/n, Viçosa - MG, 36570-000

(31) 3891-5191