Paróquia Santa Rita de Cássia

Encontrar um tesouro, eis uma aspiração que pode despertar nossa
imaginação (Mt 13,44-57) As loterias nos mostram que muitos procuram a
possibilidade de encontrar uma enorme soma que lhes permitiria passar
longos dias felizes, livres de todo cuidado material Este termo
tesouro, entretanto, guarda ele para nós todo este sabor, Se, como nos
convida Evangelho, nos identificamos com O reino dos céus? O Evangelho
nos fala do valor do reino dos céus com três comparações. Jesus nos
leva compreender qual tesouro descobrimos em reconhecendo como nosso
Salvador. reino dos céus comparável um tesouro escondido, a uma pérola
preciosa. Como um tesouro escondido no campo, o reino dos céus
necessita que se o procure com espirito de fé. Como a pérola preciosa,
muito tempo desejada pelo negociante, o reino dos céus exige esperar
com paciência, ou seja, confiar. Como a pesca frutuosa o reino dos
céus reúne todos os homens na sua diversidade, mas, infelizmente,
todos não estão de acordo com os valores do reino. As duas primeiras
parábolas mostram que face às realidades do Evangelho o homem deve
saber fazer uma escolha, se não, como ilustra a terceira parábola, é
Deus que fará a escolha. Aquele que encontra o tesouro ou a pérola
preciosa vende todos os seus bens para adquirir o que ele descobriu.
As imagens que Jesus utiliza nos colocam na conquista de saber se nós
condisséramos verdadeiramente nossa fé cristã como um tesouro, como
uma pérola preciosa que merece que nós saibamos preferir os valores do
Evangelho a todo outro bem. É certo que em cada uma de nossas vidas, é
preciso saber assumir nossas responsabilidades humanas, profissionais
e familiares, como as realidades do mundo no-las pedem na medida em
que isto se justifica. Entretanto, como vivemos nós o intercâmbio
entre os valores cristãos e os valores estritamente humanos? Sabemos
nós preferir Cristo, o amor de Deus nosso Pai, às realidades que
passam? Se a palavra de Deus é o verdadeiro tesouro de nossas vidas
como sabemos nós preservar este tesouro, dando ele sentido a nossa
vida? Se esta pérola é a luz de nossos passos, a lâmpada de nossas
caminhadas, como deixamos nós esta palavra iluminar nossa vida,
aclarar nossas escolhas? O acolhimento da Palavra de Deus em nossa
vida, a recepção de sua obra de graças em cada um de nós, tudo isto
não se faz sem o homem e sem sua participação a mais plena, a mais
radical e a mais consciente possível. A fé cristã, o engajamento em
consequência de Cristo, não é simplesmente um de nossos envolvimentos
entre outros, igual aos outros. A fé, nossa relação com Deus não podem
estar simplesmente no mesmo nível de todos as outras obrigações. Nossa
relação com Deus é de ordem do aspecto absoluto, pois Deus nosso Pai
se situa na raiz de nosso ser, no fundamento de nossa vida. A fé e a
sabedoria cristã não são somente referências para esta existência
terrena, mas são também, e sobretudo, uma abertura, uma porta para a
vida eterna. Eis porque a fé tem sempre uma dimensão radical e
fundamental. Não se trata de cair num extremismo, nem em um sectarismo
e nós sabemos bem os resultados funestos de tais atitudes radicais.
Entretanto nós devemos reconhecer que nossa sociedade nos impulsiona
ao contrário antes de tudo para o relativismo, a fechar a vida
espiritual e religiosa em uma pequena esfera privada bem fechada que
não altera nada, nem ninguém. A vida cristã e nossa relação de fé com
o Senhor, no nosso mundo moderno, são bem frequentemente colocadas no
mesmo nível das realidades humanas. Para tomar um exemplo bem concreto
que se pode dizer do fervor cristão de pessoas que sistematicamente
preferem as atividades esportivas o os encontros familiares à Missa
dominical? O mesmo pode acontecer entre os religiosos quando preferem
as coisas a serem feitas à prece pessoal? Trata-se para cada um de nós
interrogar sobre a hierarquia de nossos valores: a fé cristã é ela
para nós um tesouro? O discípulo de Jesus entra numa família
espiritual, semelhante a todos aqueles que, renunciando a um modo de
agir segundo o espírito do mundo, se empenham em fazer a vontade
daquele que Jesus lhes veio revelar. O que determina se nós somos
desta família cristã não é uma confissão de fé superficial, mas uma
adesão que se exprime na nossa vida. Não basta crer para entrar no
reino, mas se trata de manifestar que Cristo verdeiramente é o Senhor
de nossas vidas. Professor no Seminário de Mariana durante 40 anos.