Paróquia Santa Rita de Cássia

1- Em que consiste o Ano Nacional Mariano?

O objetivo do Ano Nacional Mariano é comemorar os 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, numa das curvas do Rio Paraíba, no lugar denominado Porto do Itaguassu, interior de São Paulo.

Os pescadores, que tiveram esta graciosa aventura, foram: Filipe Pedroso, Domingos Garcia e João Alves. Tudo aconteceu, enquanto tentavam encontrar peixes para a mesa do Conde de Assumar, Governador das Províncias de Minas e São Paulo, na vigência do regime imperial. Este fato histórico ocorreu, em meados de outubro de 1717.

A iniciativa de celebrar este tricentenário, através de um Ano Jubilar Mariano, foi aprovada pela 54ª Assembléia Geral da CNBB. Teve início no dia 12 de outubro de 2016 e segue até 11 de outubro de 2017. Um ano de vitalidade cristã para o nosso país.

Tal efeméride está sendo preparada, em todo o Brasil, através da visita da Imagem peregrina de Nossa Senhora Aparecida, em todas as dioceses brasileiras, percorrendo todas as Paróquias, com suas comunidades, seus movimentos pastorais, escolas, hospitais e obras sociais. É a padroeira do Brasil, visitando nossa gente e nossas famílias, trazendo bênçãos e graças de Deus.

2- Quais são os propósitos, que podemos fazer, para viver bem este ano, dedicado a Nossa Senhora?

Para viver, corretamente, o Ano Jubilar de Nossa Senhora, podemos fazer, entre outros, os seguintes propósitos:

1) Acolher, de bom ânimo, a Visita da Imagem Peregrina de Nossa Senhora, não só em nossas comunidades, mas, sobretudo, no santuário de nossos lares e no altar do nosso coração.

2) Aprofundar nosso conhecimento sobre a Mãe de Jesus, mediante a leitura atenta da Bíblia e dos documentos do Magistério Eclesiástico. A título de exemplo, cito o capítulo oitavo da Constituição Dogmática Lumen Gentium, do Concílio Vaticano II, o Catecismo da Igreja Católica e a Encíclica de João Paulo II, “Rosarium Virginis Mariae”, sobre o Rosário da Virgem Maria. São excelentes reflexões para este ano jubilar.

3) Redescobrir o valor inestimável da reza do Terço, sobretudo, em família. O Santo Rosário, dizia o Papa Pio XII, é o “compêndio de todo o evangelho”. É recitando-o, com os pais, que os filhos aprendem esta valiosa forma de oração.

4) Valorizar os outros piedosos exercícios de piedade, relativos a Nossa Senhora, aprovados pela Igreja, tais como: A Ladainha e o Ofício de Nossa Senhora, as Coroações das crianças, no mês de maio, e a celebração do Rosário, no mês de outubro.

5) Procurar, se necessário, o sacramento da Penitência, para que todos os atos de piedade sejam agradáveis a Deus e à sua Santa Mãe. A melhor oração é aquela que brota de um coração puro. É como o incenso perfumoso que se eleva para o céu.

6) Atender, com docilidade, as orientações de Nossa Senhora, especialmente, quando ela nos diz: “Fazei tudo o que Ele vos disser”. Foi esta a ordem que ela deu aos serventes, nas Bodas de Caná, onde o Filho de Deus realizou seu primeiro milagre (cf. Jo 2, 1-11).

3- O que são Indulgências e como recebê-las no Ano Mariano?

Vamos recordar, primeiramente, a definição de Indulgência e, em segundo lugar, enumerar as condições exigidas para recebê-la, neste Ano Mariano.

1) No Sacramento da Penitência, mediante a absolvição do sacerdote, o pecado mortal e a pena eterna, a ele devida, ficam perdoados. A Indulgência é o cancelamento da pena temporal destes pecados, já perdoados, no Sacramento da Penitência. Para isso, a Igreja nos aplica, como administradora que é do tesouro da graça, os merecimentos da paixão, morte e ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo, bem como os méritos de Nossa Senhora e dos Santos.

O fundamento das Indulgências é o dogma da Comunhão dos Santos, que rezamos no Símbolo dos Apóstolos. No Corpo Místico de Cristo, que é a Igreja, os membros mais sadios e mais vigorosos ajudam os mais fracos e doentios, para que, também eles, fiquem fortalecidos e contribuam para o florescimento de todo o Povo de Deus.

2) As condições habituais para lucrar a Indulgência do Ano Mariano são as mesmas, exigidas em todas as outras ocasiões. São elas:

1º Confissão Sacramental, com o devido arrependimento e propósito de emenda. Isto exige o desapego radical de todos os pecados, inclusive os veniais.

2º Comunhão Eucarística, realizada com fé, piedade e devoção, precedida por uma boa preparação e seguida de uma fervorosa ação de graças.

3º Oração nas intenções do Santo Padre, o Papa, podendo ser um Pai Nosso, uma Ave Maria e o Glória ao Pai.

4º Visitar, em forma de peregrinação, o Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, em Aparecida (SP), ou qualquer Igreja Paroquial do Brasil, dedicada à Padroeira do País. Durante esta visita, os fiéis deverão, devotamente, participar das celebrações jubilares ou de promoções espirituais ou, ao menos, elevar humildes preces a Deus por Maria, durante um conveniente espaço de tempo.

Tudo isso deve ser concluído com a Oração Dominical, com a recitação do Símbolo da Fé e com invocações à Beata Maria Virgem, em favor da fidelidade do Brasil à vocação cristã. Nestas invocações, impetrar vocações sacerdotais e religiosas e suplicar a proteção da Santíssima Virgem em favor da defesa da família humana.

As pessoas idosas ou gravemente enfermas, impossibilitadas de realizar a peregrinação, poderão alcançar a Indulgência, acompanhando, espiritualmente, diante de uma imagem da Virgem Aparecida, as funções ou peregrinações jubilares, ofertando suas preces e dores ao Deus misericordioso por Maria. Deverão ter, ainda, a intenção de cumprir as outras três condições, logo que for possível (cf. Documento da Penitenciaria Apostólica).