Paróquia Santa Rita de Cássia

Duas mulheres se saúdam no limiar da Nova A:liança: uma já idosa, a
outra ainda muito jovem. Elas resumem toda a história santa. Com
efeito, em Isabel se perfilam longos anos de preparação e Maria,
fulgurante, sem mancha, anuncia a Igreja de Jesus (Lc 1,39-56). Elas
têm em comum sua esperança e sua maternidade, mas sobretudo o fato que
sua maternidade as introduzem no plano de Deus e que seus filhos são
filhos do impossível, pois Isabel era estéril e Maria havia decidido
ficar virgem. Ambas testemunham em sua carne que nada é impossível
para Deus, mas que diferença entre as duas crianças que elas trazem no
seu ventre! Uma por milagre é o filho de Zacarias, a outra, também
miraculosamente, é o próprio Filho de Deus. É entretanto Maria que
saúda, primeiramente, ela a serva que trazia em si o Servidor.
Entretanto desde que o som de sua voz chegou a Isabel, ela sente seu
menino estremecer no seu seio. Não há em si nada de extraordinário
para uma mãe que está no seu sexto mês de gravidez, mas o Espírito
Santo que faz irrupção nela lhe revela o simbolismo deste movimento do
menino no momento mesmo da chegada de Maria. Isabel, num grande brado,
anuncia que o Espírito vem de lhe revelar e sua exclamação é uma dupla
bênção: “Bendita és tu entre as mulheres. Bendito é o fruto de teu
ventre!” Ela compreendeu numa revelação repentina, o tempo de um
brado. Imediatamente ela se situa no seu verdadeiro lugar, a mais
velha, se apequena diante da jovem mãe do Messias: “Como me é dado que
venha mim a Mãe de meu Senhor?” Ela ajunta em seguida:” Meu Filho
compreendeu antes de mim, pois que em mim, ele exultou de alegria
quando tu te aproximaste portadora do Messias”. Assim o face a face
das duas mães não mencionou senão o encontro invisível das duas
crianças. Jesus reveste sua mãe de sua dignidade de rainha e João
desperta sua mãe para o acolhimento do mistério das obras de Deus.
Para anunciar ao mundo que a desgraça de Eva estava para sempre
riscada da memória, o Espírito Santo quis que o primeiro diálogo a
esperança do mundo fosse aquele de duas mães grávidas, imagens
perfeitas da espera da felicidade. É sobre esta nota de felicidade
que acaba a saudação de Isabel:” Bem-aventurada aquela que acreditou
que teriam cumprimento as coisas que lhe foram ditas da parte do
Senhor”. A beatitude de Maria se enraíza na fé em Jesus, ele mesmo, a
proclamará solenemente no dia em que uma mulher na multidão, elevará a
voz para lhe dizer: “Ditosa a mulher que te trouxe e alimentou”. Jesus
responderá apresentando a nuança essencial: “Tu queres dizer: a mulher
que acolhe a palavra e que a guarda”! É a felicidade de todos aqueles
que edificaram sua vida sobre a promessa de Deus. Todos nós temos
necessidade que a Igreja nos traga esta certeza: haverá um cumprimento
daquilo que foi dito da parte do Senhor e Cristo, invisivelmente, está
em vias de crescer no mundo, na nossa comunidade. Tudo se cumprirá
segundo a promessa: Cristo veio, Ele vem e Ele virá. Veio na
humildade, vem na intimidade e pela Eucaristia, Ele virá na imensa
claridade de sua glória. Mas porquê a fé é difícil, porque a
esperança ecoa mui rapidamente em nosso coração, Maria hoje vem nos
visitar da parte de Deus para nos redizer: “Tu não sabes como o Senhor
está próximo?” Cabe a nós saber captar o que Deus faz. A nós cabe
redizer a surpresa de Isabel: “Donde me vem esta felicidade que venha
a mim a Mãe de meu Senhor”! Também cumpre compreender quantos
mistérios Maria trouxe em seu coração. Nenhum porém, a revoltou nem a
afastou de Deus. Cumpre então a cada um de nós meditar, orar, se
abandonar nas mão de seu Senhor. Avida de Maria é uma vida de fé e de
confiança na Palavra de Deus, uma vida de esperança na vitória do Amor
sobre o mal, uma vida de caridade na qual o amor comandava todas as
suas ações como no dia de sua visita a Isabel. Foi assim que os “sim”
sucessivos de Maria mudaram o curso da humanidade. Maria soube
sabiamente responder aos mistérios do Reino de Deus. Acolhendo sem
reserva a vontade do Pai, Ela refletiu a glória de Deus, mas de
maneira tão discreta que podíamos passar sem captar isto. A glória de
Deus se manifestava de maneira extraordinária nela, em sua alma e em
seu corpo. Devemos pedir sempre a ela que nos ajude a perceber os
mistérios do Reino celeste. Professor no Seminário de Mariana durante
40 anos.