Paróquia Santa Rita de Cássia

Como Jesus vislumbrava sua missão nesta terra está bem sintetizado no
Evangelho de hoje (Lc 12, 49-53), no qual aparecem palavras relevantes
do Mestre divino. A primeira é a imagem do fogo: ‘Eu vim lançar fogo
sobre a terra e que mais desejo senão que ele já esteja ateado?” De
acordo com os antigos profetas de Israel o fogo evocava o julgamento
de Deus no fim dos tempos. Aqui, porém, se trata de outro aspecto,
porque João Batista tinha anunciado a respeito de Jesus: “Ele vos
batizará no Espírito Santo e no fogo”, fato que iria se realizar no
dia de Pentecostes, quando Jesus ressuscitado O enviaria em línguas de
fogo sobre seus discípulos reunidos no Cenáculo. Foi então que,
segundo São Lucas, “ficaram todos repletos do Espírito Santo e
começaram a falar em outras línguas, conforme o mesmo Espírito Santo
lhes concedia que exprimissem” (Atos 2,3) O incêndio de Jesus neste
mundo é, portanto, o fogo do Espirito Santo, purificando tudo,
abrasando tudo, iluminando todos os homens. Tudo isso graças à palavra
levada até o fim do mundo pelas testemunhas do Evangelho. Jesus dizia:
“E que mais desejo eu, se este fogo já está ateado”? A este anelo de
Cristo devemos responder pessoalmente, porque o fogo de Jesus arde em
nós depois de nosso batismo até a hora de nossa morte. A este desígnio
divino precisamos corresponder pessoalmente. De fato, depois que o Pai
pôs em nós no dia do batismo o selo de seu Espírito, Ele deve arder
em nós como todos os fogos que abrasam e crépida. Desta imagem do fogo
Jesus passa para a figura da água: “Num banho devo ser imergido e que
ânsia que eu sinto até que ele se realize!” O batismo é um mergulho
na água em vista da purificação. Entretanto, Jesus já havia sito
batizado por João Batista no Jordão e, além disto, Ele nunca teve
necessidade de qualquer limpeza espiritual, Ele que era o Santo de
Deus. É que, na verdade, o mergulho que Jesus entrevia era, porém, uma
imersão nas águas do sofrimento. Ele percebia que breve ocorreria a
Paixão que o iria submergir nas grandes águas de terríveis tormentos,
a Ele o justo para que fosse purificado todo o gênero humano. Ele
ansiava que este batismo fosse cumprido. Deste modo, se realizariam os
intentos do Pai, pois sua dolorosa Paixão e Morte dariam a vida eterna
a todos os homens. Além disto, ele mesmo o próprio Filho de Deus deste
modo mundo era um pensamento familiar a Jesus. No episódio envolvendo
Tiago e João Jesus Lhes pergunta se eles seriam capazes de O seguir
até o martírio. Deste modo Jesus deixava claro que pagara purificar
este mundo com o fogo do Espírito Santo ele mesmo devia passa pelo
batismo dos sofrimentos. Quanto a seus seguidores Ele deixaria claro:
“Se alguém quiser ser meu discípulo renuncie a si mesmo, tome a sua
cruz e me siga”. É assim que se pode compreender outra palavra
misteriosa de Jesus: “Julgais que eu vim estabelecer a paz nesta
terra? Não, mas vim estabelecer a divisão”. É que no caminhar terreno
se Jesus incita a paz, por vezes, por entre as incompreensões as lutas
diárias a fidelidade a Cristo deve superar todas esta dificuldades e
os discípulos de Jesus tantas vezes são incompreendidos, rejeitados
mesmo entre os que lhe são caros. Muitas vezes se deve sair de um
certo conforto espiritual optando pela total aldesão ao Mestre divino.
Torna-se por vezes o cristão sinal de contradição que não é
intransigência nem mau humor mas umaquestão de coerência no total
seguimento do Filho de Deus. Este exige sempre correção em tudo e não
admite qualquer falsidade. Deste modo o engajamento em Cristo até à
cruz para a salvação dos homens deverá corresponder à coragem do
batizado em testemunhar sua completa adesão a Ele, sendo para todos e
em tudo modelo de uma completa fidelidade a seu Senhor antes de tudo e
de todos. Belas lições do Evangelho de hoje. Ser cristão não é ter uma
vida isenta de sofrimento, mas é ter uma vida na qual se ame a Deus e
aos outros mais do que a si mesmo. Ser cristão é viver o desafio do
amor no coração de nosso mundo. É deste modo que o Espírito Santo, que
é verdade, chama à santidade. Este Espirito Santo, fogo devorador no
fundo de cada coração.

Professor no Seminário de Mariana durante 40 anos.