Paróquia Santa Rita de Cássia

O MAIOR MANDAMENTO

Qual é o maior mandamento da lei foi a questão que, no templo de

Jerusalém, apresentaram a Jesus os fariseus (Mt 22.24-40). O Mestre
divino foi interrogado na qualidade de Rabi, ou seja, como alguém cuja
autoridade se queria averiguar. Ele ofereceu a seus interlocutores uma
resposta completa, mostrando que o amor a Deus era o primeiro e o
maior mandamento, mas acrescentou que o segundo é semelhante a este,
isto é, amar o próximo como a si mesmo. No judaísmo este tema se
revestia de uma particular importância, dada a multiplicidade de
preceitos da lei. Contavam-se 613, repartidos em 365 proibições e 248
preceitos. Daí a necessidade de separar o essencial do acessório,
atingindo o principal mandamento. Ninguém melhor do que Jesus para
condensar de uma maneira perfeita toda a fé de Israel, conjugando o
amor de Deus e a dileção fraterna Aquele que era a Verdade enunciou um
princípio espiritual de ação, uma atitude que deveria ajudar cada um a
caminhar na verdadeira via em qualquer situação. Jesus mostrou que o
amor em sua plenitude deve abarcar o Criador e todas as suas
criaturas. Seguir Jesus Cristo implica uma dupla e radical abertura a
Deus, o Pai, e aos irmãos. A resposta dada por Jesus traça uma cruz
com uma haste vertical voltada para o céu, o amor do Pai, outra
horizontal, o amor ao próximo. Estava claro no Livro do Deuteronômio
(6,5): Amarás o Senhor teu Deus de todo teu coração, de toda tua alma
e de todo teu espírito”, mas também estava preceituado no Levítico
(19,18):” Tu amarás teu próximo como a ti mesmo” A originalidade de
Cristo é que Ele colocou estes dois mandamentos no mesmo plano. Não há
dois amores, mas apenas um. A atitude que se tem para com o próximo
indica a postura que se tem para com Deus. É deste modo que devia ser
todo o passado de Israel, a Lei e os profetas. A Nova Aliança não
teria outra exigência senão viver o amor manifestado em Jesus e por
Jesus. O evangelista São Mateus frisa claramente que o apelo ao amor é
o coração da nova aliança realizada no Filho de Deus Na trajetória do
cristão a observância dos mandamentos o deve colocar na rota sagrada
deste amor pregado por Jesus. Ser agradável a Deus é observar sua
vontade santíssima atendendo sempre a ordem de Cristo de amar o
Criador e todos os seres racionais que Ele criou. Deste modo, o apelo
à dileção divina e humana não se torna algo vago, indeterminado. Jesus
se apresenta a seus seguidores como aqueles que têm fome, que choram,
que padecem injustiça e tudo mais que Ele detalhou ao falar do juízo
universal (25, 31-46). São João asseverou que se alguém diz que ama a
Deus, mas odeia a seu irmão é mentiroso Pois, quem não ama a seu irmão
que vê, não pode amar a Deus que não viu (1 Jo 4,20); O próximo é todo
aquele que tem necessidade do outro como Jesus deixou claro na
parábola do Bom Samaritano. É aquele que cruza nosso caminho
regularmente ou ocasionalmente. Ele não pede senão um pouco de
atenção, de ajuda, de reconforto, de justiça, de amor e isto sem
exigir nenhum retorno. O próximo é Deus que todos os dias se apresenta
sob uma aparência humana. Jesus ligou o amor ao próximo e o amor a
Deus, colocando o amor a Deus em primeiro lugar, porque o segundo
mandamento é semelhante ao primeiro e não o inverso. Entretanto, este
termo semelhante atrai nossa atenção e estabelece uma relação estreita
entre os dois aspectos do grande mandamento. Relação estreita que não
pode ser comentada de maneira simplista por declarações categóricas
como: “Não há amor de Deus senão no amor ao próximo”. Não se trata de
equivalência, mas da maneira de agir da consciência cristã que, a cada
passo, manifesta sua dileção a seu Senhor e aos irmãos, sem
privilegiar uma ou outra atitude. Os dois mandamentos são semelhantes,
ou seja, amar a Deus, o Criador e Redentor do homem, e amor ao ser
humano, imagem e similaridade de Deus. São João assim se expressou:
“Caríssimos, amemo-nos uns aos outros, porque o amor vem de Deus, e
todo aquele que ama é gerado por Deus e conhece a Deus quem não ama
não aprendeu a conhecer a Deus, porque Deus é amor ( 1 Jo 4,7). Na
prática, porém, distinguimos entre um ato que manifesta nosso amor a
Deus e outro que manifesta nossa dileção ao próximo. Em síntese, o
certo é que a doutrina de Cristo mostra a seus discípulos o caminho
maravilhoso do amor. O autêntico cristão é aquele que sabe amar de
maneira incondicional, que acolhe nele a unção magnífica do amor
paternal de Deus, origem e termo de toda dileção, e, assim, ama
ternamente também o seu semelhante. Trata-se do dom de si mesmo a Deus
e do maravilhoso acolhimento aos outros em todas as circunstâncias.
“Professor no Seminário de Mariana durante 40 anos.