Paróquia Santa Rita de Cássia

Os Apóstolos pediram a Jesus: “Aumenta-nos a nossa fé” (Luc 17,
5-10). A atividade do homem deve ser orientada e caracterizada pela
natureza e objeto de sua fé. Ter fé não significa simplesmente ir à
Igreja, nem mesmo em pedir a ajuda divina nos limites do sofrimento ou
das várias outras provações da vida. A fé é a virtude que deve guiar
toda a vida do cristão em tudo que ele é e pratica. A fé em Deus é uma
maneira de apresentar e qualificar a postura daquele que crê. O
cristão autêntico se acha impregnado de fé, habitado por ela, vivendo
nela e atento aos recados divinos. Donde o conselho do salmista:
“Hoje não fecheis o vosso coração, mas escutai a voz do Senhor” (Sl
94). Donde haver ocasião para crescer sempre mais na prática desta
virtude e daí a razão de ser do pedido dos discípulos a Jesus, porque
quanto maior foi a fé tanto mais vigorosa e meritória será a
existência de cada um, inclusive no serviço do próximo na imitação do
Mestre divino que se apresentou como o servidor por excelência,
exemplificando isto ao lavar os pés dos apóstolos na última ceia.
Cumpre contemplar na fé esta vida inteiramente prestativa daquele que
determinou: “Aprendei de mim que sou manso e humilde de coração”.
Então coisas maravilhosas acontecem em derredor do fiel seguidor de
Cristo, Este não é possuído por um espírito de temor ou de timidez
mas, sim, pelo espírito de força e de amor para ousar bem servir o
próximo e para perseverar sem nada guardar para si, a não ser a
Palavra de Deus. Jesus convida pela fé à prática da caridade e da
santidade completas. Donde a atenção em não prejudicar a ninguém, seja
ele quem for, porque no próximo se enxerga pela fé o próprio Jesus
Cristo. Trata-se de uma esclarecida caridade fraterna, do respeito ao
outro na pratica do preceito legado por Jesus *Amai-vos uns aos outros
como eu vos amei”. Deus é amor e Ele nos leva a amar, a respeitar, a
ajudar. É preciso lutar contra toda má ideologia ou desvirtuada
teologia da fé, longe de qualquer atitude de desamor aos outros.
Jamais deixar de perdoar o próximo e isto só é possível com a graça
divina, a qual só pela fé se desenvolve nos corações. Donde uma
dileção sem restrições. Daí a fuga também de todo escândalo, palavra
que vem do grego e significa um objeto que leva o outro a cair, como
uma pedra no caminho. Nada se compara às alegrias do serviço na fé bem
longe das servidões materiais, psicológicas e espirituais do mundo de
hoje. Colocar-se ao serviços de Deus e dos outros é crescer nas
aspirações fundamentais do ser humano. É um esforço necessário diante
das estrutura do mundo ocidental no qual tudo é feito para que o homem
creia que ele pode encontrar em si mesmo suas razões de viver e de
progredir. Dizer que Deus tem uma soberania total e universal em tudo,
pode parecer uma incongruência no contexto atual. Daí o afastamento
daquele no qual nós vivemos, existimos e somos. Daí também a
dificuldade de servir na fé, uma relação de simplicidade com o Ser
Supremo. É com Ele que o cristão, que crê, deve transformar o mundo.
Entretanto, não é tão fácil ter uma relação simples com Deus cuja
grandeza ofusca o ser humano que tenha uma fé diminuta. Eis aí a razão
de ser do término do Evangelho de hoje: “Assim, também vós uma vez
feito tudo o que se vos ordenou, dizei: ‘Somos servos inúteis, fizemos
o que devíamos fazer’. A fé deve nos levar a reconhecer que em tudo
somos simples servidores. A obra de Jesus é grandiosa, mas Ele quer
a cooperação de todos os seus seguidores fiéis, apesar de sua
pequenez. Sua obra é levar à luminosidade parcelas de sua criação.
Donde, portanto, a importância da fé que inspira confiança, fidelidade
apesar da grandeza da obra. Esta fidelidade leva a uma confiança na
ajuda do Mestre com o qual se colabora. Os apóstolos haviam
presenciado as maravilhas operadas por Jesus e eram eles que pediam a
Ele que lhes aumentasse a fé. Ter fé neste caso não é admitir
verdades, mas confiar inteiramente em Deus, pois é Ele que é o todo
poderoso Senhor. Num mundo no qual reinam as discórdias, as
altercações, a fé se torna o anteparo, trazendo a presença do amor
diante da obscuridade das más ações. A fé não pode ser medida. Ser um
fiel que crê é dar um salto na confiança naquele que tudo pode. Esta
fé não se adquire nos livros, mas o fiel a recebes gratuitamente no
contato com o Poderoso Senhor. A fé deve ser vivida intensamente. Deus
está no coração da fraqueza humana, no cerne da pequenez de cada um.
Ela não se acha no poder dominador, mas no fundo de nossas misérias.
De fato todos somos servos inúteis porque tudo vem de Deus, tudo nos é
ofertado de graça. Professor no Seminário de Mariana durante 40
anos.